A SEDA NO BRASIL: PANORAMA ECONÔMICO E ALTERNATIVAS PARA A REVITALIZAÇÃO DO SETOR.

Alessandra Maria Giacomin, Mariana Laktim, Júlia Baruque-Ramos

Resumo


O Brasil é o único produtor de seda em escala comercial no ocidente, e o quarto maior produtor mundial, ficando atrás apenas da China, Índia e Uzbequistão. Introduzida no Brasil no início do século XX, o processo de produção da seda, denominado sericicultura, tornou-se uma importante atividade agroindustrial, gerando empregos, tanto no campo como na indústria, bem como receita e impostos, tonando-se, assim, importante para a economia do pais.  Atualmente, exporta-se 95% da produção, sendo 90% seda crua, produto de baixo valor agregado. Observa-se que nas últimas décadas houve um declínio acentuado da produção brasileira. Diante disso, surge a necessidade do setor sericicultor buscar alternativas com vistas à superação de seu encolhimento, sendo que, neste estudo, serão apresentadas alternativas para agregar valor ao produto, destacando-se a importância que a sericicultura representa para os seus produtores e, consequentemente, para a economia do país, notadamente nos seus polos produtivos mais expressivos localizados nos Estados do Paraná e São Paulo.


Texto completo:

pdf

Referências


AGUIAR, I. C. S. Desenvolvimento e caracterização de biofilmes de sericina reticulados com dimetiloluréia. Monografia (Tecnologia em Processos Químicos) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Apucarana, 2011.

BARBOSA, M. Seda brasileira, ‘a melhor do mundo’, está ameaçada. O Estado de São Paulo, São Paulo, 19 de setembro de 2009. Caderno E&N Negócios. Disponível em: . Acesso em: 22 de março de 2016.

CIRIO, G. M. Sericultura no Estado do Paraná Safra 2013/14 – Relatório Takii. Governo do Paraná. Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Departamento de Economia Rural.

CONDESSA, L. C. Sericicultura. Curitiba: Editora da UFPR, 1995.

ESTADO DE SÃO PAULO. Decreto 7.313 - 5 de julho de 1935. Publicado no Diário Oficial de 5 de julho de 1935. Criação da 3ª Seção – Sericicultura, sediada no Município de Campinas e vinculada ao Departamento da Indústria Animal, órgão da Secretaria Estadual da Agricultura. 1935.

ESTADO DE SÃO PAULO. Decreto-Lei 12.359 - 01 de dezembro de 1941. Publicado no Diário Oficial de 1º de dezembro de 1941. Alteração do nome da 3ª Seção – Sericicultura para Serviço de Sericicultura. 1941.

FONSECA, A. S.; FONSECA, T. C. Cultura da amoreira e criação do bicho-da-seda: sericicultura. São Paulo: Nobel, 1986.

HANADA, Y; WATANABE, J. K. Manual de criação do bicho-da-seda. Curitiba: Cocamar, 1986.

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE MARINGÁ. Instituto Vale da Seda. Produção de Seda no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 22 de janeiro de 2016.

JASPER, F. Paraná faz o melhor fio de seda do mundo. Gazeta do Povo, Curitiba, 1º de setembro de 2013. Economia. Disponível em: < http://www.gazetadopovo.com.br/economia/especiais/bem-feito-no-parana/2013/parana-faz-o-melhor-fio-de-seda-do-mundo-bcm3v75pennif8qv8fx00juxa>. Acesso em: 16 de janeiro de 2016.

MÜLLER, V. Eletrofiação de nanofibras de fibroína da seda como dispositivos adsorventes para microextração em fase sólida. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) - Centro de Engenharias e Ciências Exatas. Toledo – PR. Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste. 2014. Disponível em: http://200.201.88.199/portalpos/media/File/VINICIUS.pdf. Acesso em 26 de fevereiro de 2016.

O CASULO FELIZ. Empresa. Disponível em: http://www.ocasulofeliz.com.br/siteFios/empresa. Acesso em: 24 de março de 2015.

PENNACCHIO, H. L. Seda. Companhia Nacional de Abastecimento, 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 de março de 2016.

PORTO, A. J. Sericicultura no estado de São Paulo. Boletim de Indústria Animal. v. 71, n. 3. Nova Odessa: Instituto de Zootecnia, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, 2014. p. 291-312. Disponível em: < http://www.iz.sp.gov.br/pdfsbia/1412257067.pdf>. Acesso em: 22 de março de 2016.

REVISTA GERAÇÃO SUSTENTÁVEL. Sericicultura gera cooperação e desenvolvimento sustentável no Paraná. 2011. Disponível em: http://revistageracaosustentavel.blogspot.com.br/2011/01/sericicultura-gera-cooperacao-e.html. Acesso em 30 de março de 2016.

SAYEG, P. F.; BARUQUE-RAMOS, J. Seda natural e seda residual: Histórico, caracterização e processo de obtenção. In: 2º Congresso Científico Têxtil e de Moda. São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 março de 2016.

SEBRAE - SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. O que é e como funciona o Comércio Justo. Disponível em: . Acesso em 12 de janeiro de 2015.

SILVA, T.L.; GIMENES, M.L.; VIEIRA, M.G.A.; SILVA, M.G.C. Extração de sericina de casulos do Bicho-da- seda (Bombyx Mori) e formação de partículas a Base de sericina e alginato. Anais do XXXVI Congresso Brasileiro De Sistemas Particulados. Maceió. 2013.

SOARES, T.A.; VIDART, J. M. M.; DA SILVA, T. L.; GIMENES, M. L.; DA SILVA, M. G. C.; VIEIRA, M. G. A. Obtenção de micropartículas a base de sericina e alginato para incorporação de diclofenaco de sódio. In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação Cientifica. Blucher Chemical Engineering Proceedings, v. 1, n.3. São Paulo, 2015.

SUBHAS, C. K.; BIRAJA, C. D.; RUPESH D.; DAVID L. K. Natural protective glue protein, sericin bioengineered by silkworms: Potential for biomedical and biotechnological applications. Progress in Polymer Science, v. 33, n. 10, p. 998-1012, 2008.

TANSIL, N. C.; LI, Y. TENG, C. P.; ZHANG, S.; WIN, K. Y.; CHEN, X.; LIU, X. Y.; HAN, M.Y. Intrinsically Colored and Luminescent Silk. Advanced Materials, v. 23, n. 12, p. 1463-1466, 2011.

TSUKAMOTO, R. Y. Assentamentos rurais e a sericicultura como alternativa de renda: uma reflexão. In: XIX Encontro Nacional de Geografia Agrária. In: Anais... São Paulo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 de março de 2016.

UEM - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Projeto desenvolvido na Incubadora Tecnológica no São Paulo Fashion Week. Maringá, 2015. Disponível em: . Acesso em 30 de março de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.