ECODESIGN DE ACESSÓRIOS DE MODA: DESENVOLVENDO A SUSTENTABILIDADE NUM CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA

Gabriela Sousa Ribeiro, Welton Fernando Zonatti, Milena Quattrer, Bárbara Boaventura Friaça

Resumo


Este estudo partiu da necessidade de analisar o ensino de design de moda para pessoas com pouco ou nenhum contato prévio com o tema. Objetivamos descrever e analisar, a partir de observações sistemáticas e assistemáticas, o curso de formação inicial e continuada de Ecodesign de acessórios de moda, a potencialidade desse tipo de curso para pessoas com formação inicial na área, assim como avaliar de que maneira se deu a apreensão pelos discentes do tema norteador “sustentabilidade” numa perspectiva integradora e interdisciplinar do curso em questão. Foi possível perceber que o curso alcançou o que pretendia. Os alunos conseguiram apreender o conceito de desenvolvimento sustentável pensado de modo amplo, a importância de promover a sustentabilidade ambiental, sociocultural, territorial e econômica. Os produtos desenvolvidos deixaram clara essa preocupação e aprendizado por parte dos alunos. A interdisciplinaridade entre as disciplinas ministradas foi um diferencial a mais para alcançar tal êxito. 


Texto completo:

PDF

Referências


ABIT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÃO. Guia Têxtil 2011. Disponível em http://www.guiatextil.com/site/noticias/industria/abit_esclarece_principais_duvidas_das_normas_de_vestibilidade. Acesso em 08 de setembro de 2011, às 13h40min.

AGUIAR, Grazyella Cristina Oliveira de. Cursos Superiores de Moda no Brasil: Regulamentações, Evoluções e Perspectivas. In: Anais do 11º Colóquio de Moda – 8ª Edição Internacional e 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda, 2015.

BRASIL. Decreto n° 7.022, de 02 de dezembro de 2009. Estabelece medidas organizacionais de caráter excepcional para dar suporte ao processo de implantação da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, criada pela Lei no 11.892, de 29 de dezembro de 2008, e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/Decreto/D7022.htm Acesso em 11 de janeiro de 2017, às 12h17min.

CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

FINKLER, M.; SCAPINI, P.; FREIRE, E.; ZATTERA, A. J.; ZENI, M. Compósitos de HDPE com Resíduos de Fibras Têxteis. Parte I: Caracterização Mecânica. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 15, n. 3, p. 171-175, 2005.

IEMI - INSTITUTO DE ESTUDOS E MARKETING INDUSTRIAL. Relatório Setorial da Indústria Têxtil Brasileira - Brasil Têxtil 2014. 14 ed. São Paulo, 2014.

IEMI - INSTITUTO DE ESTUDOS E MARKETING INDUSTRIAL. Relatório Setorial da Indústria Têxtil Brasileira - Brasil Têxtil 2015. 15 ed. São Paulo, 2015.

IFRJ – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada em Ecodesign de Acessórios de Moda. Belford Roxo/RJ: IFRJ, 2016.

IFRJ – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Disponível em http://www.ifrj.edu.br/. Acesso em 11 de fevereiro de 2017, às 00h55min.

LÖBACH, Bernd. Design industrial: bases para a configuração de produtos industriais. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

NEULS, G. Economia movida a CO2. Página22 (Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas), n. 68. São Paulo: Ed. Vox, 2012.

SANTOS, Caroline Zanardo Gomes dos; SANTOS, Joyce Ribeiro dos. Design de moda: o corpo, a roupa e o espaço que os habita. Saber Acadêmico, n. 09, p. 204-213, Jun. 2010.

THOUVENOT, Thierry. In: KAZAZIAN, Thierry. (Org.). Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.