DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO DE MODA COM PROCESSO SUSTENTÁVEL E ECONOMIA CRIATIVA: estudo de caso no Estado de Pernambuco.

Liliane da Silva da Silva Gonzaga, Francisca Dantas Dantas Mendes

Resumo


O presente estudo pretende realizar um levantamento sobre o setor têxtil de Pernambuco, fazendo um recorte do Pólo de Confecções do Agreste (segundo maior pólo têxtil do país) com a finalidade de revelar o potencial desse setor no estado. Demonstra-se, igualmente, a importância de incentivos públicos para organizações como o Marco Pernambucano da Moda (MPM), localizado na cidade do Recife-PE. Busca ainda desvelar como o uso da economia criativa e circular na cadeia têxtil de Pernambuco, aliada as tendências desse mercado, tem proporcionado novos negócios de moda e a inserção de Microempreendedores Individuais (MEI). Assim, gerando progressos para a população da região do agreste, e regiões fronteiriças, que ainda se mantém economicamente estável, em razão do desempenho desse setor. Nesse sentido, a metodologia adotada para realização da pesquisa consiste em: pesquisa bibliográfica e por um método misto, qualitativa descritiva exploratória e quantitativa exploratória, sobre o setor têxtil. Desmembrar-se-á em um estudo múltiplo de caso e farão parte das fontes, entrevistas com o diretor do MPM e com os responsáveis pelos projetos, além de consultores que atuam na instituição, micro empresas e MEI. A análise dos dados obtidos nos estudos de caso e o cruzamento dessas informações com a fundamentação teórica possibilitaram um mapeamento importante a respeito da economia criativa e circular na cadeia têxtil em Pernambuco, dentro do contexto público e privado.


Texto completo:

PDF

Referências


ABIT –Brasil Têxtil 2015 -Relatório Setorial da indústria Têxtil Brasileira – IEMI – São Paulo, 2015.

ARAÙJO, Carlos Augusto Lucena; PEREIRA, Clarisse Ferrão. A indústria de confecções em Pernambuco: impactos e oportunidades em um cenário pós-ATC (Acordo sobre Têxteis e Confecções). XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006..

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.html>. Acesso em 27/07/2016.

DEPEC – Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Têxtil e Confecções, dezembro 2016. Disponível em: Acesso em 02/02/2017.

Estadão. Agreste Tem 2º Maior Pólo Têxtil do País. Disponível em: . Acesso em 08/07/2016.

FENG, Z. Circular economy overview. Beijing, China: People’s Publishing House, 2004.

FIEPE. Política Industrial. Disponível em: . Acesso em 27/07/2016.

JORNAL DO COMÉRCIO. Pólo de Confecções do Agreste: da Sulanca à Industrialização. Disponível em: . Acesso em 10/01/2017.

MARCO PERNAMBUCANO DA MODA. Disponível em: http://www.marcopemoda.com.br/>. Acesso em 10/06/2016.

NÚCLEO GESTOR DA CADEIA TÊXTIL E DE CONFECÇÕES DE PERNAMBUCO. Disponível em: http://www.ntcpe.org.br/about/>. Acesso em 10/06/2016.

SEBRAE. O que é Economia Criativa. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-que-e-economia-criativa,3fbb5edae79e6410VgnVCM2000003c74010aRCRD. Acesso em 28/06/2016.

VIANA, Fernando Luiz Emerenciano. A indústria têxtil e de confecções no nordeste: características, desafios e oportunidades. ETENE/BANCO DO NORDESTE. Fortaleza: 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.