AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE FIBRAS VEGETAIS TÊXTEIS DA FAMÍLIA MALVACEAE

Bárbara Maria Gama Guimarães, Welton Fernando Zonatti, Julia Baruque-Ramos

Resumo


Este projeto centra-se na caracterização físico-química de espécies vegetais da família Malvaceae e ao estudo das propriedades destas fibras. O objetivo do presente projeto foi a caracterização físico-química de duas fibras desta família: Sidastrum paniculatum (L.) e Sida rhombifolia. O caule dessas espécies foi macerado em água a 37ºC por 20 dias. As fibras foram testadas (20 vezes) para determinar a resistência à tração de ruptura, tenacidade, alongamento e módulo de Young. Os ensaios foram realizados em dinamômetro (Instron, modelo 5569, Norwood MA, EUA). Foram realizados ensaios de regain, bem como testes de combustão, determinação do pH do extrato aquoso, efeitos de solventes orgânicos, álcalis e ácidos. Os valores obtidos foram comparados com as fibras de aplicabilidade reconhecida na indústria têxtil. Este estudo justifica-se pelo fato de que o Brasil tem um grande potencial em relação à variedade de fibras naturais , de modo que o estudo destas espécies pode auxiliar no desenvolvimento da indústria têxtil .


Texto completo:

PDF

Referências


AATCC 81-2001. pH of the Water-Extract from Wet Processed Textiles. American Association of Textile Chemists and Colorists. 1 p.

Alberto Henrique Amorim, Competitividade Internacional no Complexo Têxtil Brasileiro no período 1998 a 2006. Revista de Design, Inovação e Gestão Estratégica _ REDIGE v.2, n.1 [Online]. Disponível em: www.cetiqt.senai.br/redige. Rio de Janeiro, 2011. [Acesso em: 22 Fevereiro 2012].

Maluf, E; Kolbe, W. Dados Técnicos para a Indústria Têxtil. Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção ABIT. 2ª Ed., São Paulo, 2003. 336 p.

Massimo G. Bovini. Sidastrum. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009249. [Acesso em 09 Agosto2011].

Palova S. Balzer; Lawrence L. Vicente; Ricardo Briesemeister; Daniela Becker; Valdir Soldi; Antonio Rodolfo Junior; Murilo B. Feltran. Estudo das Propriedades Mecânicas de um Composto de PVC modificado com Fibras de Bananeira. Revista Polímeros: Ciência e Tecnologia, 17, p.1, 2007.

Miguel O. Melo, Guilherme A. Cavalncanti, Hellen S. Gonçalves, e Sibele T. Duarte. Inovações Tecnológicas na Cadeia produtiva Têxtil: Análise e estudo de caso em Indústria do nordeste do Brasil. Revista Produção Online ISSN 1676 - 1901 / Vol.7/ Num. 2/ agosto/2007. Dísponível em: www.producaoonline.ufsc.br. Universidade Federal de Santa Catarina, 2007. [Acesso em: 20 Março 2012].

Norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (para análise microscópica) ABNT NBR 13 538-1995.

Rosemberg, J.A. Microbiologia têxtil. In: Aquarone, E.; Borzani, W.; Lima, U.A. Tópicos de Microbiologia Industrial. Edgar Blücher, São Paulo, 1975. vol.2, p.97-112.

Reddy, N., and Yang, Y. Biofibers from agricultural by products for industrial applications, TRENDS in Biotechnology 23 (1), 22-27. 2005.

Saville, B.P. Physical testing of textiles. The Textile Institute Woodhead Publishing Limited, Cambridge, 2007. 310p.

Satyanarayana, K.G.; Ravikumar, K.; Sukumaran, K.; Mukherjee, P.S.; Pillai, G.K.; Kulkani A.G. Structure and properties of some vegetable fibres. Journal of Materials Science 21: 57-63, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.